Kaleydos
boomera

Boomera: startup recicla resíduos desprezados pelas cooperativas

Empresa desenvolve soluções de reciclagem sob medida e gerencia a logística de resíduos complexos

A reciclagem avançou muito no Brasil nas últimas décadas quando o assunto são materiais de alto valor de mercado, como papel, alumínio e vidro. Entretanto, existem materiais pouco valorizados pelas cooperativas de reciclagem, que acabam parando nos lixões, mas que poderiam passar por um processo de upcycle e se transformar em matéria-prima para novos produtos. A startup Boomera se especializa neste tipo de resíduos sólidos. De fraldas a cápsulas de café, tudo lhe interessa.

Segundo a Folha.com:

A empresa patenteou recentemente um sistema de reciclagem para fraldas descartáveis. Também possui tecnologias para reciclar cápsulas de café expresso e embalagens flexíveis como “BOPP”, tipo de plástico revestido com alumínio, utilizado para embalar biscoitos, chocolates e salgadinhos industrializados.

A startup começou com uma solução para a reciclagem de BOPP. Primeiro, a empresa desenvolveu uma solução tecnológica que o transforma em uma resina de interesse da PepsiCo, que agora a usa para fabricar displays para os seus pontos de venda. Tendo cliente garantido, a Boomera conseguiu engajar cooperativas a recolher o resíduo e agora lhes paga R$ 200 por tonelada. Atualmente, 250 cooperativas trabalham em parceria com a empresa, em São Paulo, Manaus e Porto Alegre.

Ainda segundo a Folha.com:

Além de desenvolver a tecnologia de reciclagem sob demanda das empresas, a start-up faz a operação logística de resíduos complexos, caso de cápsulas de café expresso e fraldas descartáveis.

Continue lendo sobre a Boomera na Folha.com.


Sobre a Kaleydos

Kaleydos é uma plataforma de investimento e desenvolvimento de soluções e negócios alinhados aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Apoiamos negócios inovadores em estágio inicial de maneira personalizada mesclando mentoria, capital semente e co-gestão. Somos uma iniciativa do Instituto Jatobás. Clique aqui para saber mais sobre nós.

Assine a nossa newsletter mensal.

Faça um comentário