Kaleydos

Metodologias que todo empreendedor de impacto deve conhecer

Aprenda a inovar e construir um negócio de sucesso para impactar o mundo positivamente

Não perca oportunidades para o seu negócio de impacto. Assine a nossa newsletter mensal e mantenha-se informado sobre tudo o que acontece no setor 2.5. Não se preocupe, também não gostamos de spam. :-)

Não se constrói um negócio sólido sem entender como funciona o mercado, como atender às suas demandas e como se diferenciar dos seus concorrentes. Se isso é verdade para os negócios tradicionais, é ainda mais no caso dos negócios de impacto, que também contemplam soluções para problemas sociais e/ou ambientais e o impacto positivo no mundo. Portanto, para aumentar as suas chances de sucesso é fundamental conhecer metodologias testadas e comprovadas que ajudam o empreendedor a gerir a sua startup e a inovar. Vamos abordar algumas destas metodologias nesta matéria.

Primeiramente, vamos falar de três metodologias importantíssimas que se complementam: Design Thinking, Startup Enxuta e Oceano Azul. A primeira ajuda o empreendedor a entender as demandas reais do mercado e a pensar em soluções inovadoras que as atendam. A segunda é uma maneira de testar, validar e aprimorar o seu modelo de negócios, economizando tempo, recursos e aumentando as chances de sucesso. A terceira ajuda o empreendedor a descobrir e criar novos mercados, onde ainda não há concorrência.

Ao final da matéria, você encontrará uma lista de recursos para saber mais sobre cada metodologia, incluindo artigos, vídeos, relatórios em PDF etc. Ao final, iremos abordar rapidamente também outras três metodologias úteis ao empreendedor: Direto ao Ponto, Modelo C e Canvas Social.

Boa leitura!



Design Thinking: como inovar e atender a demandas reais

Design Thinking (DT) é uma abordagem que, como o nome diz, usa a maneira de raciocinar do design para criar soluções inovadoras e revolucionárias, focadas no ser humano e nas suas reais necessidades.

É frequentemente aplicado para se criar produtos e serviços que atendam a demandas reais dos seus potenciais consumidores. O processo de DT é muito pragmático e se baseia, principalmente, em observações empíricas e no contato direto com o cliente pelos profissionais envolvidos no projeto. Dessa forma, a sua aplicação ajuda o empreendedor a não investir tempo e recursos em projetos idealizados que não venham a ter aplicação no mundo real.

Este conceito foi definido pelo professor da Universidade de Stanford, Rolf Faste, e popularizado por David M. Kelley, fundador da IDEO, uma das maiores empresas de design e inovação do mundo.

Características principais

Centrado no ser humano

A abordagem começa com uma profunda empatia e um entendimento das necessidades e das motivações de todos os stakeholders (interessados) a quem a solução a ser criada se destinará.

Colaborativo

O processo sempre envolve um grande número de profissionais da empresa que colaboram na criação de uma nova solução. A criatividade de cada envolvido estimula e reforça a criatividade dos demais. Um grupo é capaz de criar soluções mais inovadoras do que cada integrante isoladamente.

Otimista

Acredita-se que todos podem criar mudanças, independentemente do tamanho do problema a ser resolvido, do tempo disponível ou de restrições orçamentárias.

Experimental

A liberdade de errar e aprender com seus erros é fundamental para fomentar a criação de novas ideias. Cada participante do processo é livre para expor suas ideias, sem julgamento. Depois, cada proposta receberá o feedback dos demais. Diferentes ideias podem se complementar, se misturar e gerar novas soluções, que de outra maneira não seriam pensadas.

Etapas do Design Thinking

Há diferentes métodos de se aplicar o Design Thinking, cada um com um determinado número de etapas. Mas quatro delas costumam ser consideradas essenciais:

  • Imersão: identificação e entendimento do problema;
  • Análise e síntese: organização e análise de todas as informações obtidas durante a imersão;
  • Ideação: geração e debate de ideias inovadoras que solucionem o problema proposto;
  • Prototipação: transformação das ideias em protótipos de produtos ou serviços, que depois devem passar por validação.

Após a validação do protótipo, este processo pode ser refeito quantas vezes for necessário até se chegar ao produto/serviço que atenda às necessidades do cliente e aos objetivos do empreendedor.

Veja abaixo um breve vídeo que explica a metodologia do Design Thinking de maneira prática:

Startup Enxuta: Como testar seu modelo de negócios e corrigi-lo rapidamente

É uma importante metodologia proposta por Eric Ries, em seu livro homônimo Startup Enxuta (The Lean Startup). Nele, Ries propõe um método para reduzir o desperdício durante a criação de produtos e serviços, aumentando a frequência de contato com clientes reais, a fim de validar as premissas do negócio o mais rápido possível. De acordo com a metodologia, toda atividade inicial que não contribui para o aprendizado sobre os clientes é considerada desperdício.

O conceito está baseado na filosofia japonesa de lean manufacturing (manufatura enxuta). Aplicada principalmente na linha de montagem de indústrias, o lean manufacturing se propõe a aumentar o valor de criação e eliminar todo o desperdício. O metodologia de Startup Enxuta se propõe a fazer o mesmo na gestão de startups e na geração de novos produtos e serviços.

Segundo Ries, startups criam soluções inovadoras ainda sem histórico ou parâmetro no mercado. Assim, trabalham com muita incerteza e longe dos protocolos e dos métodos tradicionais de gestão das grandes empresas. Portanto, um novo tipo de gestão adequada a essas empresas é necessário.

Nessa metodologia, em vez de se escrever longos planos de negócios e criar produtos e serviços totalmente acabados, opta-se por desenvolver um Produto Mínimo Viável, ou MVP (Minimum Viable Product), na sigla em inglês. O MVP é um protótipo, uma versão beta do produto, em vez de um produto final.

Tudo começa com as hipóteses que o empreendedor tem em sua mente sobre como solucionar um problema de seus potenciais consumidores. A partir destas hipóteses, é criado o MVP, que depois deverá ser validado em testes com consumidores reais. A partir destes testes, se verificará se a hipótese está correta e se o produto/serviço proposto atende a uma necessidade real. Dependendo do resultado, poderá ser aperfeiçoado, abandonado ou transformado em outro produto. Este processo pode ser feito várias vezes até um MVP ser validado para se criar o produto final.

Características principais

  • Reduzir ao máximo o tempo de criação do produto;
  • Aperfeiçoar continuamente o produto de acordo com os resultados obtidos;
  • Testar repetidamente a aceitação do produto junto aos seus usuários;
  • Consumir o mínimo possível de recursos humanos e financeiros;
  • “Pivotar”: mudar o seu produto ou modelo de negócios radicalmente, caso necessário.

Veja abaixo um vídeo que explica a metodologia:

Oceano Azul: Como ser único e tornar a concorrência irrelevante

Ensinada no livro Estratégia do Oceano Azul, de W. Chan Kim e Renée Mauborgne, representantes do The Blue Ocean Strategy Institute, a metodologia ensina o empreendedor a investir em mercados inexplorados, onde ainda não há concorrentes. Segundo os autores, a melhor maneira de superar a concorrência é parar de tentar superá-la. É o caso da Uber e do AirBnB, por exemplo, que criaram novos mercados e ficaram muito tempo sem concorrentes.

Os autores diferenciam o Oceano Azul do Oceano Vermelho. Um Oceano Vermelho é um mercado em que há forte concorrência, em que muitas empresas concorrem pela mesma fatia de mercado. Quando uma empresa se foca em um mercado saturado, ela tem duas opções: defender arduamente o espaço conquistado ou tomar o espaço conquistado pelos concorrentes. Em um cenário como esse, uma empresa têm dois caminhos para se diferenciar: 1) criar um novo produto com valor agregado e preço mais alto; 2) ou oferecer um produto similar aos demais, mas com preço mais baixo (forçando a reduzir a margem de lucro para garantir a demanda).

Em um Oceano Azul, como se trata de um mercado inexplorado, não há concorrência (ou ela é irrelevante), criam-se novas demandas e a diferenciação se dá tanto no valor agregado do produto como no preço. Este conceito se foca na inovação do modelo de negócio. Pode-se considerá-lo até certo ponto arriscado, pois nem sempre as startups irão de fato encontrar um território inexplorado para serem pioneiras. Ainda assim, a metodologia irá estimular o empreendedor a sua curva de valor.

Características principais

  • Reconstruir barreiras no mercado;
  • Concentrar-se no panorama geral;
  • Ir além da demanda existente;
  • Formular a estratégia na sequência adequada;
  • Superar obstáculo organizacionais;
  • Orientar a execução estratégica.

Veja abaixo um vídeo que explica a metodologia:

Outras metodologias que o empreendedor deve conhecer

As três metodologias abordadas acima são bastante abrangentes e cobrem grande parte do trabalho de um empreendedor na criação de modelos de negócios inovadores que atendam a necessidades reais de mercado. Existem muitas outras que podem ser úteis, geralmente destinadas a fins mais específicos. Vamos listar três delas aqui, indicando onde saber mais sobre elas.

Direto Ao Ponto

Trata-se de uma sequência de atividades rápidas e efetivas para se criar um MVP. Clique aqui para saber mais.

Metodologia C

Combina duas metodologias muito usadas na modelagem de negócios de impacto: o Business Model Canvas e a Teoria de Mudança. Clique aqui para saber mais.

Canvas Social

Adapta o tradicional Business Model Canvas para a modelagem de negócios de impacto. Clique aqui para saber mais.

Redação Kaleydos

1 comentário